Homens suportam mais dor que as mulheres, segundo estudo

6346436

6346436

Uma discussão antiga e constante pode estar perto de ser revelada. Um estudo mostrou que os homens suportam melhor a dor do que as mulheres.

A questão sempre foi bastante debatida principalmente por considerar que a mulher é quem passa pela dor do trabalho de parto. Por muitos anos isso sustentou a teoria de que a mulher teria maior resistência a dor do que os homens.

Agora, no entanto, cientistas afirmam ter resolvido de uma vez por todas esse debate. De acordo com a pesquisa, os homens podem aguentar mais dor que as mulheres e são menos propensos a deixar que outras pessoas notem que eles estão sofrendo.

Leia também: 7 mitos sobre o cérebro humano

Segundo os pesquisadores da Leeds Metropolitan University, os estereótipos de gêneros significam que os homens tendem a agir estoicamente quando estão machucados, enquanto as mulheres demonstram mais sensibilidade.

Para a realização do estudo, foram recrutados 200 voluntários britânicos e da Líbia. “Tradicionalmente, os níveis elevados de estoicismo estão associados aos homens e os altos níveis de sensibilidade estão associados às mulheres. Alguns grupos étnicos são descritos como mais estóicos, enquanto outros são vistos como mais livres para expressar seu comportamento de dor. Nós não detectamos diferenças de dor”, afirmou o cientista Dr. Osama Tashani, responsável pelo estudo.

Foram monitorados a resistência, a sensibilidade e a vontade para relatar a dor dos pacientes, e foi descoberto que os homens apresentam limiares de dor mais elevados e relataram menor intensidade de dor do que as mulheres, independentemente da sua nacionalidade.

Os voluntários britânicos não suportaram tanta dor como os participantes da Líbia, no entanto, estavam mais propensos a denunciá-la. As reações baseadas em estereótipos de gênero foram mais pronunciadas na Líbia do que o Reino Unido, sugerindo assim que gênero e cultura apresentaram papéis importantes no teste.

Não vai doer nada! Será?

Os voluntários participaram do estudo por dois anos e foram colocados em contato com procedimentos indutores de dor. Em um deles, os voluntários receberam espetadas na mão com uma ponta de 1 centímetro de largura, e em outro, eles tiveram que segurar sua mão acima da cabeça, enquanto um manguito diminuia o fluxo de sangue.

linha

Gostou? Curta nossa pagina no Facebook e fique por dentro das novidades!

Viu algum erro ou gostaria de dar uma sugestão para atualizarmos esta matéria? Colabore com a nossa equipe clicando aqui!

COMENTÁRIOS