Asteroide que desafia as leis da Física pode destruir a Terra em 2880

foto de meteoro

asteroide

Um asteroide visto pela primeira vez na década de 1950, o 1950 DA, pode acabar com a Terra daqui a 866 anos, no dia 16 de março de 2880. A chance de colisão é pequena – apenas 0,3% –, mas o que chama mesmo atenção são as características do corpo celeste, que parece desafiar as leis da Física.

De acordo com uma equipe de pesquisadores da Universidade de Tennesse, nos EUA, o asteroide monstro mede cerca de 1.000 metros de diâmetro e possui uma velocidade de rotação absurda: ele dá uma volta completa ao redor de si mesmo a cada duas horas e seis minutos, suficiente para que ele se desintegrasse. Inclusive, o 1950 DA gira tão rápido que chega a apresentar gravidade negativa na altura de seu equador. Se por acaso um astronauta desavisado tentasse chegar até sua superfície, ele seria arremessado para o espaço.

Mas como o asteroide permanece intacto e não se desintegra, como seria o esperado? Segundo os cientistas, estudos para determinar a temperatura e a densidade do 1950 DA levaram à conclusão de que ele apresenta forças coesivas – conhecidas como “forças de van der Waals” –, as quais possibilitam que suas moléculas fiquem unidas.

“Se apenas a gravidade estivesse segurando esse monte de pedras juntas, como geralmente acontece, elas iriam sair voando cada uma para um lado. Portanto, forças coesivas interpartículas devem estar mantendo a união”, explicou o pesquisador Ben Rozitis. Esse tipo de forças coesivas já foi estimado matematicamente em asteroides pequenos, mas ainda não há uma prova definitiva de que elas realmente existam. “Entender o que segura esse asteroide intacto pode ajudar a desenvolver estratégias para evitar futuros impactos”, completou o cientista.

meteoro

A pesquisa também mostra que algumas técnicas para tentar destruir o asteroide podem causar efeitos ainda piores. Por exemplo, colocar um objeto de grandes proporções no caminho do 1950 DA interferiria nas forças coesivas, fazendo com que o corpo celeste se dividisse em vários asteroides menores que também poderiam se chocar contra a Terra.

Estima-se que o asteroide cairia por aqui com uma velocidade de 60 mil quilômetros por hora, causando uma explosão com força de 44,8 mil megatoneladas de TNT – quase 2 milhões de vezes mais do que a bomba atômica de Nagasaki. Embora a probabilidade de choque contra a Terra seja de apenas 0,3%, isso significa que o corpo possui um risco de impacto 50% maior do que os outros asteroides.

Apesar dos números espantosos, os cientistas afirmam que não há por que se preocupar. Caso se mostre necessário desviar a trajetória do 1950 DA, temos tempo suficiente para utilizar um método simples como cobrir a superfície com pó de carvão ou giz – isso mudaria sua refletividade e permitiria que a luz do sol tirasse o corpo celeste do caminho da Terra.

linha

Fonte: EmResumo

Gostou? Curta nossa pagina no Facebook e fique por dentro das novidades!

Viu algum erro ou gostaria de dar uma sugestão para atualizarmos esta matéria? Colabore com a nossa equipe clicando aqui.

COMENTÁRIOS