10 coisas que você não sabia sobre o Rock in Rio

rock-in-rio

O Rock in Rio foi idealizado em 1985 pelo empresário Roberto Medina, e abriu os portões da Cidade do Rock para se tornar o maior festival musical do mundo latino e um dos maiores do planeta. Portanto, resolvemos selecionar algumas curiosidades sobre esse grandioso evento.

Leia também:
As mortes que marcaram o mundo da música
Conheça a mansão de Elvis Presley

10# – Os números: Vinte e cinto anos atrás, em dez dias, o Rock in Rio juntou 29 artistas e 1,38 milhão de pessoas. Quanto as contas gastronômicas, foram consumidos cerca de 1,2 milhão de sanduíches, 33 mil pizzas e 1,6 milhão de litros de cerveja, chope e refrigerante.

09# – Profecia: Na época circulavam rumores de que uma profecia de Nostradamus previa que o Festival acabaria em tragédia. No entanto, para combater os boates, a organização do Rock in Rio contratou um astrólogo, chamado Bola, para fazer o mapa astral do evento. Ele disse que seria um festival calmo e acertou na mosca.

08# – Rapidez: A Cidade do Rock foi construída em apenas três meses. O pântano de 85 mil metros quadrados foi transformado em área urbanizada com ruas, saneamento, área de lazer e heliporto. Foi preciso 55 mil caminhões de terra para adubr o aterro.

07# – Os patrocínios: Os principais patrocinadores do evento alertaram que só investiriam o dinheiro depois que metade das atrações internacionais estivessem confirmadas. Sem dinheiro para começar os trabalhos, Robert Medina teve que dar o prédio de sete andares da agêcia Artplan como garantia para um empréstimo bancário.

06# – Desespero: Por pouco o Rock in Rio não aconteceu por falta de atrações. O empresário Roberto Medina ficou 40 dias em Nova York tentando fechar contrato com artistas, sem sucesso. Só depois da intervenção de seu pai Abraham Medina, preocupado com o sucesso do evento, é que as coisas tomaram o rumo certo. Ele publicou matérias pagas em jornais estrangeiros e organizou um cocktail em Los Angeles, e então os contratos passaram a ser fechados.

05# – Agilidade: Para dar rapidez na troca de celebridades do festival, que tinha apenas um palco, o cenógrafo Mário Monteiro precisou montar uma estrutura móvel com três palcos diferentes, correndo sobre trilhos, enquanto uma banda tocava, o equipamento da outra era construído no tablado lateral.

04# – Sem comer morcegos: A organização proibiu que o músico Ozzy Osbourne cometesse alguma loucura no palco, como comer morcegos vivos por exemplo. Foi feito um contrato com Ozzy para que ele não fizesse algo do tipo. Para garantir que a cláusula fosse cumprida, membros da sociedade protetora dos animais fiscalizaram o show.

03# – Convidados especiais: A baixista Tina Weymouth e o baterista Chris Frantz fizeram participação especial no show dos colegos da new wave norte-americana B-52s. Na época, a baixista e o baterista integravam o Talking Heads.

02# – Os números: O guitarrista Mathias Jabs, do Scorpions, tocou com uma guitarra com o corpo com o formato da América do Sul, inspirado no logo do festival. A banda ainda contava com um coreógrafo, e cada pulo e giro de microfone era ensaiado.

01# – Os sinos: O sino que a banda AC/DC tocava no início da música Hell’s Bells pesava 1.500 quilos, e precisou ser trazido de navio. Mas, na hora de subir no palco, a estrutura não aguentaria o peso, portanto foi usada uma réplica de gesso do sino, e a badalada foi disparada eletronicamente.

linha

Gostou? Curta nossa pagina no Facebook e fique por dentro das novidades!

Viu algum erro ou gostaria de dar uma sugestão para atualizarmos esta matéria? Colabore com a nossa equipe clicando aqui!

COMENTÁRIOS